Direto do Forno · Música

Failure – Headstand (Single)

Fui pego totalmente de surpresa pelo anúncio de Wild Type Droid, o próximo disco do Failure, anunciado pela própria banda na última semana. Será o sexto trabalho de estúdio deles. Mas o que não surpreendeu foi a qualidade do som.

O primeiro single já disponível é “Headstand” e caiu de imediato no meu coração. Melancólica e pesada na medida certa, ela lembra em vários momentos a “Another Space Song”, do Fantastic Planet, talvez o disco mais famoso dos caras, lançado em 1996.

Ali pela metade, a música dá uma quebrada e vira uma espécie de paisagem sonora de filmes pós-apocalípticos, criando uma ambientação que muito tem a ver com as temáticas do disco que citei no parágrafo anterior.

Em algumas audições, “Headstand” já virou uma das minhas favoritas do trio.

Direto do Forno · Música

Deafheaven – The Gnashing (Single)

Enquanto os “fãs” continuam dando chilique pela mudança de sonoridade do Deafheaven, sigo empolgado com o lançamento de Infinite Granite, o próximo disco deles, que sairá pela Sargent House mês que vem.

E se eu ainda estava na dúvida se “Great Mass of Color” era apenas um ponto fora da curva, parece mesmo que esse novo trabalho tomará um rumo mais diferente. “The Gnashing” saiu ontem e segue a mesma tendência do single anterior, com guitarras barulhentas abafando o vocal, que antes era gritado e agora é mais delicado, criando uma atmosfera melancólica e psicodélica.

Não gosto de expectativas, mas é um dos lançamentos que mais aguardo para os próximos meses.

Direto do Forno · Música

Deafheaven – Great Mass of Color (Single)

Muito fãs viraram o pescoço contra “Great Mass of Color”, primeiro single do próximo disco do Deafheaven, Infinite Granite, reclamando que sentiam falta dos gritos e berros do vocalista George Clarke. Tudo bem que foi a mistura de shoegaze com black metal que tornou a banda conhecida, mas é bom ver um grupo arriscando novos ares durante sua carreira.

A questão é que nem dá para saber se é o álbum inteiro que tomará esse rumo mais “etéreo”, pendendo para o dream pop. O que importa é que “Great Mass of Color” é uma ótima música, como uma mistura de The Smiths com space rock que chega a ser emocionante. Para os amantes dos gritos, ao final tem alguns, mas um pouco abafados, mas não menos capazes de provocar arrepios.

Infinite Granite sairá em 20 de agosto pelo selo Sargent House.

Garimpo · Música

Algumas Dicas Ambient

Fazer música é uma árdua tarefa, que exige concentração, dedicação, intuição, conhecimento e bastante criatividade. Trabalhar em cima de algo que irá mexer com emoções de outras pessoas com o uso de melodias e palavras já é difícil, imagina uma composição instrumental.

Assim é a música ambient, repleta de ecos, efeitos, ornamentos vocais, sequências repetitivas e tudo mais o que o artista quiser implementar em sua música, porém, em sua maioria, sem palavras cantadas.

Gosto muito de ouvir discos nesse estilo em momentos de leitura ou reflexão. Ao fumar um cigarro e sentar na área externa da casa, por exemplo, ou durante uma madrugada silenciosa. E por ser uma vertente musical tão rica e repleta de compositores inventivos, tornou-se uma das minhas favoritas.

Abaixo estão três discos ambient que garimpei recentemente e que muito me agradaram. Se o EP Kill, do John Bence, possui uma abordagem mais voltada para o gótico e com um clima mais sombrio, o Apartment Loops Vol. 1 do italiano Bruno Bavota é de uma sensação mais sublime, como se o ouvinte flutuasse nas nuvens.

Por fim, trago o disco de estreia do Ghost Lode, chamado Lenten Distance. Esse é o projeto solo de Matt Weed, guitarrista da banda Rosetta. Seu debut é composto por seis belas e melancólicas peças acústicas com um ar de space rock. Creio que se o espaço tivesse som, seria algo do tipo.

Espero que o leitor faça bom proveito.

 

Garimpo · Música

Garimpo: Inches to Infinity

Tem um canal no Youtube que eu adoro, chamado Worldhaspostrock. É um dos maiores e melhores acervos de post-rock na plataforma, com vários discos e playlists para ouvir, sem falar que o canal ficou tão grande que algumas bandas lançam seus trabalhos em primeira mão direto por ele.

Tento ouvir o máximo que posso, principalmente as novas postagens, mas não tem como, é muito material. Mas teve um em específico que atingiu o meu emocional em cheio, um projeto chamado Inches to Infinity, e a canção de nome “These Bones Have Life”.

Na página deles no Bandcamp, a descrição é perfeita:

“Pintando quadros com música, algumas vezes sem palavras.”

São nove canções ao todo, todas no esquema pague o quanto quiser. E as artes visuais são maravilhosas, um aspecto fundamental que engrandece a experiência de ouvir.

Deixo abaixo aquela que citei acima e que me deu arrepios, “These Bones Have Life”.

Direto do Forno · Música

All Them Witches – Saturnine & Iron Jaw (Single)

É intrigante como o All Them Witches passeia por várias vertentes musicas em uma só canção. Em um disco então, é uma salada completa, e das boas. É só ouvir o último lançamento do grupo, ATW, cujas impressões pessoais registrei aqui.

Agora vem o seu sucessor, Nothing As The Ideal, com lançamento previsto para o início de setembro via New West Records.

A canção que inicia esse novo trabalho já está disponível para o público, e é sobre ela o que disse no início desse texto. Com quase sete minutos e com um riff poderoso, ela navega entre o rock psicodélico e o stoner, e tem uma característica interessante e presente em várias outras músicas da banda: ela dá uma quebrada no tempo, de repente, até que volta subindo o tom até explodir de novo.

Se o trio mantiver a regularidade, acho que vem mais pedrada por aí.

Direto do Forno · Música

O Novo do Korto: EP

Se me falassem que o trio francês Korto viesse direto dos anos noventa, eu acreditaria fácil, fácil. A guitarra frenética e psicodélica remete a bandas como Truly (que também era um trio) e o Hazel, com o vocal distante, como se ecoasse de algum lugar além da música, e a bateria que permanece ativa à exaustão, como se não cansasse.

EP, simples assim, é o nome do disquinho com quatro canções somente, todas psicodélicas, bebendo do krautrock, space rock e do indie noventista, cujas guitarras dão o poder que as músicas merecem e o baixo pulsa como um coração desgovernado, tudum tudum tudum tudum, sem medo de que infarte a qualquer momento. Enquanto a cozinha dá o andamento agitado das músicas, a guitarra faz seu trabalho à parte, indo e voltando em arpejos, solos e passagens atmosféricas.

Por ser um trio, meu apreço fica ainda maior, são três cabeças apenas fazendo um barulho que muita banda pena para fazer, e com mais integrantes.

O trabalho saiu pelo selo Six Tonnes De Chair Records, também francês. Se o leitor me perguntasse qual música ouvir, eu diria: todas.


1. Mob
2. No Shit
3. Dottt
4. Tempor 

Direto do Forno · Música

Tool – Fear Inoculum (Single)

Caro leitor, aconteceu. A internet parou, os planetas pararam, a humanidade parou. O que muitos acharam que nunca mais aconteceria, finalmente saiu da imaginação e faz parte da nossa realidade: o Tool irá lançar sim um novo disco esse ano, no dia 30 de agosto, e hoje já podemos ouvir o seu primeiro single.

O novo trabalho já tem nome: Fear Inoculum, e a faixa-título foi liberada para audição. São dez minutos de viagem ao inconsciente, como toda a obra do grupo.

É difícil falar sobre o Tool sem deixar a emoção de lado, pois é a minha banda favorita. É música que transcende a experiência do sentir. Ao finalizar a audição, fiquei estático olhando para o computador de tanta emoção.

Mal posso esperar pelo disco completo, porém, paciência. Ao menos, ainda bem, já sabemos que ele chegará.

Direto do Forno · Música

Spotlights – Mountains Are Forever (Vídeo)

Em abril deste ano, o Spotlights lançou o excelente Love & Decay, seu mais recente disco de estúdio, pela Ipecac Recordings.

Há duas semanas, o trio lançou um videoclipe para uma das canções do álbum, “Moutains Are Forever”.

Com cores relativamente gélidas, o vídeo capta alguns movimentos aleatórios entre paisagens naturais e figuras esfumaçadas, dando um tom sombrio ao trabalho.

Escrevi aqui minhas impressões sobre Love & Decay.

Direto do Forno · Música

FLOWERS – Flat Tired Chuck (Single)

Após apresentar artistas como Lenny Pistol, Jeremy Walch e o Endless Dive, trago mais uma novidade do selo belga Luik Records, um dos meus favoritos da atualidade. Trata-se do FLOWERS.

O projeto é idealizado por duas mulheres: Roos Pollmann (Juanita), que comanda as canções com um vocal rasgado e raivoso e guitarras de peso que passeiam pelos riffs sujos do stoner aos viajantes do space rock , e Judith van Oostrum (Juju), cuja bateria se destaca pela precisão e peso na medida certa.

Pouco mais de um ano após soltarem um interessante EP de estreia, o duo se prepara para lançar seu primeiro disco cheio, intitulado DOOM CITY. Segundo release oficial,

“Doom City é um álbum conceitual sobre um decadente, abandonado e isolado local industrial em um deserto vazio e sem recursos. Cada canção é sobre um aspecto dessa cidade; um líder político cantando para os habitantes, uma briga em uma fábrica, a visão geral da cidade, a vista da ilha (e o narrador) pensando sobre a cidade, etc. A cidade é uma metáfora para o patriarcado e o sistema de gênero binário – é insustentável, é desafiador sobreviver, é preciso se decompor para dar lugar a um novo modo de vida.”

Ouça abaixo “Flat Tired Chuck”, primeiro single do disco, programado para ser lançado no dia 10 de setembro desse ano.