Direto do Forno · Música

Just Mustard – I Am You (Single)

Como é prazeroso, nos dias de hoje, com lançamentos saindo a todo instante, ouvir uma música que realmente te prenda e fique por horas e até dias rodeando sua cabeça.

Foi o caso de “I Am You”, novo single da Just Mustard, banda irlandesa cujo som passeia entre o pós-punk, o shoegaze e até pela música eletrônica.

Tudo bem que o baixo e a bateria dão o ritmo da canção, começando de forma lenta e crescendo de forma considerável com o passar do tempo, junto com a barulheira deliciosa da guitarra. Mas é o grande charme de todos esse caos é a voz hipnótica de Katie Ball, que até na parte mais “furiosa”, não perde a delicadeza.

Não há informações sobre um novo disco até o momento.

Direto do Forno · Música

Placebo – Surrounded By Spies (Single)

Parece que fantasmas do passado continuam a perseguir Brian Molko. Ou melhor, espiões.

Recheado de frases enigmáticas que remetem a conflitos de sua trajetória (“ex-drummer’s nose stuck in the past“, por exemplo), “Surrounded By Spies” é o segundo single do aguardado novo disco do Placebo, Nevet Let Me Go, previsto para março de 2022.

O nome do disco é um tanto quanto genérico, mas “Surrounded By Spies” captura bem a estética de um dos melhores momentos da banda, entre o Black Market Music (2000) e o Sleeping With Ghosts (2003).

Minha única implicância é com o visual do Brian Molko: pra que esse bigodinho?

Garimpo · Língua Presa · Música

Radiohead – The National Anthem (Ao Vivo no Saturday Night Live, 2000)

Escrevi há poucos dias sobre o lançamento do KID A MNESIA, material que o Radiohead está preparando para comemorar as duas décadas do Kid A e do Amnesiac.

De forma mais precisa, hoje faz exatos vinte anos e um que o Kid A saiu do forno, e para presentear os fãs, saiu no canal do Saturday Night Live uma apresentação matadora da banda tocando “The National Anthem”, uma das melhores e mais enérgicas músicas do disco.

Se você acha a dancinha de Thom Yorke em “Lotus Flower” um tanto quanto estranha, veja essa apresentação. Thom está insano, totalmente tomado pela música, enquanto Ed O’Brien e Jonny Greenwood criam os efeitos mais hipnóticos possíveis, Colin Greenwood mantém a postura no andamento da canção e Phil Selway, o metrônomo ambulante, acompanha.

Direto do Forno · Música

Kid A Mnesia

Para comemorar as duas décadas de Kid A (2000) e Amnesiac (2001), o Radiohead vai juntar ambos em um projeto só, intitulado KID A MNESIA, previsto para sair em cinco de novembro desse ano.

Ao que parece, será um compilado de material inédito, canções já conhecidas e sobras de estúdio. Para o anúncio desse belo pacote, a banda soltou “If You Say The Word” para audição.

O que mais chama atenção é o seguinte: os caras são tão acima da média, que uma música como “If You Say The Word” é tratada como “sobra de estúdio”, ou “não boa o suficiente para entrar no disco”. E a música é maravilhosa!

Direto do Forno · Garimpo · Música

Garimpo: Dark Sky Burial

O Dark Sky Burial é o projeto paralelo de Shane Embury, multi-instrumentista e baixista de longa data do Napalm Death. Se nas quatro cordas ele atordoa seus ouvintes na banda de metal extremo, aqui ele é capaz de fazer o mesmo, mas com uma abordagem diferente.

Com uma mistura de música eletrônica e industrial, passeando também pela ambient music, o Dark Sky Burial chega a ser mais acessível que o próprio Napalm Death, apesar de também ser bastante experimental e causar estranhamento aos ouvidos não tão acostumados com barulhos hipnóticos em alguns momentos, e incômodos noutro.

No início do mês saiu Vincit Qui Se Vincit, o terceiro disco do Dark Sky Burial, contendo nove canções. O interessante é ouvi-las em sequência, como se fosse uma única e longa peça instrumental.

Crônicas · Língua Presa · Música

Proteção

Foi no final de 2011 que tivemos Sky pela primeira vez. A morte recente de meu pai deixou um silêncio ainda maior na casa, e a TV por assinatura caiu muito bem para tirar um pouco o tédio. Conheci Seinfeld, não perdia nenhum episódio (passava de segunda à sexta na Sony) e até hoje é minha comédia favorita de todos os tempos. Também fiquei viciado na PlayTV e seus programas sobre música e videogames.

Em um desses programas, o canal convidava algum artista para apresentar cinco videoclipes de seu agrado, independente do estilo. Um dos convidados foi o Paulão, da Velhas Virgens, e logo de cara ele mandou “Protection”, do Massive Attack. Foi minha porta de entrada ao universo nebuloso do Trip Hop.

Tracey Thorn, do Everything but the Girl, é quem canta. Sua voz é doce, tranquila e melancólica, casando bem com os versos, que a depender de quem interpreta, é sobre relacionamentos, pequenos gestos amorosos e coisas nesse sentido. No instrumental, um simples riff de guitarra é repetido por todos os seis minutos da música, assim como a bateria, fora alguma ou outra virada e alguns efeitos eletrônicos. O videoclipe é um plano-sequência mostrando os integrantes da banda em seus apartamentos fictícios, em momentos que retratam a vida comum. Uma janta, uma conversa, uma brincadeira.

É início de noite da última quarta-feira e “Protection” começa a tocar em meus fones. O pôr-do-sol está do lado contrário, pessoas vêm e vão e lá no final da pista, um casal se abraça. Passei por eles.

“I can’t change the way you feel,
but I could put my arms around you.”

Fiquei pensando se era apenas coincidência.

No domingo, às 5 da manhã, estava voltando de Barreiras, cansado, mas sem sono. Mesmo sendo um trajeto curto, parece que as cidades não chegam nunca, seja na ida ou na volta. E apesar do horário, nada de claro no céu. Na entrada de Luis Eduardo, “Protection” mais uma vez. Repeti a música várias vezes até chegar em casa.

“I stand in front of you,
I’ll take the force of the blow.”

Cheguei em casa, guardei o carro e fui mexer no celular para desligar o som. Olhei para a foto da tela bloqueada por alguns segundos. Eu, com cara emburrada, e minha mãe, talvez com o sorriso mais lindo que já vi, em 1990 alguma coisa.

Proteção. Entendi.

Direto do Forno · Música

O Novo da Anfisa Letyago: Listen EP

Foi ouvindo um episódio do podcast Álvaro, Barcinski, Forata & Paulão que conheci a Anfisa Letyago, DJ russa radicada em Nápoles, Itália. Na ocasião, tive acesso à canção “Pump It”, e essa não foi apenas minha melhor descoberta musical de 2020, como também a música que mais ouvi ano passado.

Anfisa Letyago é amplamente citada como uma das maiores revelações da música eletrônica dos últimos anos, e no início de 2021 ela aumentou sua (ainda) pequena discografia com o EP Listen. Apesar de curto, esse trabalho deixa bem claro o estilo das composições da DJ, que é capaz de criar peças contagiantes e, em contrapartida, outras mais amenas.

A faixa-título dá início ao EP, acompanhada por batidas e graves fortes e por uma voz sussurrada ao fundo, como um transe hipnótico ou até mesmo um sonho. Aliás, essa “voz” é um dos detalhes que mais me agradaram no som da DJ. Em seguida, vem “Orizzonte”. Essa me lembrou os melhores momentos do Prodigy, não pelo peso, mas pelo ritmo, onde vários elementos se fundem e o resultado é uma canção perfeita para um clube noturno.

Em “Deep Water”, a tal voz parece estar realmente afundada em águas profundas, enquanto o instrumental faz o corpo do ouvinte se tremer não apenas por fora, mas também por dentro. E não fosse o bastante, o encerramento com “Gravity” causa a mesma sensação, mas dessa vez não na água, mas no ar, como se o corpo flutuasse, carregado pelas batidas minimalistas da canção.

Listen resume bem, em quatro faixas, as influências e características da Anfisa Letyago, e para quem acaba de conhecê-la, é uma boa porta de entrada para seu universo eletrônico. Ele foi lançado em 8 de janeiro deste ano e foi o primeiro lançamento em seu próprio selo, o N:S:DA.

1. Listen
2. Orizzonte
3. Deep Water
4. Gravity

Garimpo · Música

Garimpo: Nine

Para comemorar o seu aniversário de nove anos, o selo britânico Insight Music lançou uma coletânea interessante: nove singles inéditos, reunindo os artistas mais influentes de seu catálogo.

Como o selo é focado em música eletrônica e suas vertentes, prepare-se para entrar em uma viagem sonora de muita paz e tranquilidade. E o melhor de tudo é a opção de pague quanto puder, o que torna acessível uma obra de tamanha qualidade.

Para os fãs ou curiosos de downtempo, chillout, música ambiente, trip hop e até um pouco de lo-fi hip hop, essa coletânea é uma joia rara.

Direto do Forno · Música

Faten Kanaan – The North Wind (Single)

Como é bom ser guiado por uma tag no Bandcamp e a música ser exatamente aquilo que se buscava. Faten Kanaan é uma compositora estadunidense que mescla elementos eletrônicos com música clássica, ambient e outros derivados, criando um atmosférico através de melodias que se repetem e levam o ouvinte a um pleno estado de contemplação.

Seu single mais recente chama-se “The North Wind”, que além da faixa-título, também traz a canção “Night Tide/Anteros”, que é ainda mais interessante. Ambas a canções estarão no próximo disco da artista, A Mythology of Circles, que sai do forno da Fire Records em 13 de novembro.

Se eu soubesse da existência dessa mulher há algumas semanas atrás, certamente ela estaria na postagem abaixo de dicas ambient.

Agora é esperar a chegada do álbum e torcer para que seja brilhante por completo, assim como essas duas canções.

Garimpo · Música

Tricky + Björk

Foi por um curto período, mas Tricky e Björk tiveram um relacionamento em meados dos anos noventa, e tal junção ocasionou em colaborações em discos de ambas as partes.

Foram quatro músicas em conjunto, mas se tiverem algumas outras que fogem de meu conhecimento, por favor, me avisem. Duas estão no lançamento “não-oficial” do Tricky, Nearly God, de 1996 e a outra metade está em Post, um dos mais aclamados álbuns da artista do gelo, lançado um ano antes.

Em uma entrevista de anos atrás, Tricky disse que não foi uma boa pessoa para Björk. Não quero entrar nesses detalhes, apesar de achar que eles formariam um casal bem interessante, mas ao menos sobre as músicas que saíram do forno dessa união, posso dizer que tinham química.