Crônicas · Língua Presa · Música

Tjú, tjú

Estávamos os cinco no quarto com a luz apagada, dois sofás, com dois em cada um e eu deitado no chão. Era meio da madrugada e o cansaço falava alto. Uma delas deu a ideia de colocar música e escolheu “Svefn-g-englar”, do Sigur Rós.

Até então, eu só conhecia o Sigur Rós pelo Kveikur, de 2013, mas nada tão aprofundado. Depois dessa madrugada, isso mudou.

Nos dez minutos de duração de “Svefn-g-englar”, um silêncio absoluto. Me soltei de vez no chão e observei. Uma parecia entediada, ou estava apenas cansada, mas seus olhos não fecharam. A que colocou a música, em transe, movimentando os lábios, como se cantasse junto, mesmo que a música seja em islandês. Do lado da entediada, a outra pessoa estava apenas quieta, não parecia prestar atenção. E a que estava do lado de quem escolheu a música, ela deitou e fechou os olhos, sonhando acordada naquele som que mais parecia o ressoar de uma divindade nórdica.

Lendo comentários no Youtube sobre o vídeo abaixo, o mais comum é “essa é a canção que quero em meu funeral”, mas achei um que define bem o que sinto ao ouvir “Svefn-g-englar”. Eu, que não possuo fé alguma, vejo-a como “deus em forma de música”.

Direto do Forno · Música

O novo do Tool: Fear Inoculum

“Por milhões de anos, a humanidade viveu como os animais. Então, algo aconteceu e desencadeou o poder de nossa imaginação: nós aprendemos a falar.”
-Stephen Hawking

Comunicação. 

Se me perguntassem como eu definiria o trabalho do Tool, seria essa a palavra. É mais do que sentir ou ouvir as músicas. É uma orientação de pensamento, de colocar-se em um espaço vulnerável para absorver cada palavra e analisar o que está sendo dito. Como uma conversa, onde um lado transmite o que está pensando e o outro escuta para tirar as suas conclusões.

Por isso Fear Inoculum foi tão aguardado por todos os fãs. Porque falta sinceridade na música atual. Faltam artistas que colocam o ouvinte em um estado desconfortável e que o forçam a ouvir o disco duas, três, até dez vezes para captar todos os seus pedaços. E, ainda assim, haveriam surpresas. Um sussurro, uma virada de tempo diferente, uma letra mal-entendida e assim por diante. No caso do Tool, até hoje sou surpreendido com detalhes não percebidos em audições anteriores.

O trabalho é composto por dez faixas (considerando aqui a versão digital), sendo quatro instrumentais que funcionam como uma espécie de vinhetas para que o disco soe como uma única longa canção. Apesar de entender o conceito, achei desnecessária a quantidade (como também são nos outros discos).

Seus dois extremos são os pontos altos: a faixa-título que inicia a jornada e “7empest”, o desfecho, essa sendo a mais longa e a que mais causou-me um transe sonoro. Pesada e psicodélica na medida ideal. Mas isso é uma opinião recente. É impossível digerir um disco do Tool em tão pouco tempo. Fear Inoculum é um lançamento que renderá novos entendimentos a cada audição.

Meu único lamento é a arte da capa e do novo logo da banda. Poderiam ter sido bem melhores.

1. Fear Inoculum
2. Pneuma
3. Litanie contre la peur (instrumental)
4. Invincible
5. Legion Inoculant (instrumental)
6. Descending
7. Culling Voices
8. Chocolate Chip Trip
9. 7empest
10. Mockingbeat (instrumental)