Diversos · Garimpo · Língua Presa · Música

Fly Anakin e o Streaming

Há alguns dias, o rapper Fly Anakin tomou a decisão de retirar boa parte do seu material das plataformas de streaming e deixá-las somente no Bandcamp. Sua alegação foi a mesma de tantos outros artistas: o pagamento dessas empresas aos cantores e bandas é pífio, se comparado ao que elas recebem.

Tal atitude demonstra muita coragem por parte dele, enfrentando um sistema que cada vez mais toma conta do mercado, direcionando os ouvintes a terem acesso mais fácil ao que o “algoritmo” oferece, ou seja, ao que está na moda ou a quem paga mais para ser divulgado.

Mesmo que seja um golpe quase imperceptível nesse monstro gigante, a atitude de Fly Anakin é louvável. Deixo abaixo o lançamento mais recente do cara, Pixote, EP lançado na última sexta-feira.

Língua Presa · Não Ao Futebol Moderno

Não Ao Futebol Moderno #18: Esse Lisca tá de Brincadeira

Parece que o sucesso e as aparições em programas de TV fizeram o Lisca começar a se achar um pouco além do normal. Agora sempre que o América perde, a culpa não é da incompetência do time, e sim de fatores externos. E com a ajudinha da imprensa, muita gente cai nessas balelas.

Ninguém falou da arbitragem tendenciosa do juiz, que amarelou cinco jogadores do Galo em lances, no mínimo, discutíveis, além do pênalti inexistente que ele marcou. Sorte nossa que o Rodolfo mandou no travessão e perdeu a ÚNICA chance de gol que o América teve.

Sim, ÚNICA! Porque nos dois jogos da final, os lances de real perigo foram todos do Atlético. Ontem mesmo o Cavichioli fez duas defesas muito difíceis, dessas que mesmo assistindo, é difícil acreditar.

Então seria bom o Lisca baixar um pouco a bola dele, começar a ver os próprios defeitos da sua equipe e parar de inventar desculpas toda vez que forem incompetentes.

Garimpo · Língua Presa · Música · Quarta Parede

Wilco – How to Fight Loneliness (Ao Vivo no Late Night with Conan O’Brien, 1999)

Em 1999, o Wilco lançou um de seus melhores discos, o Summerteeth. Para divulgá-lo, como de praxe, a banda rodou por alguns programas de TV e claro, passou pelos talk shows mais famosos da época.

No mesmo dia que eles foram ao Late Night with Conan O’Brien, a convidada da noite era ninguém menos que Winona Ryder, mas isso não foi apenas coincidência. A atriz protagonizou o drama Garota, Interrompida e a canção “How To Fight Loneliness” faz parte da trilha sonora do filme. Muito gentil com os caras, foi Winona quem deu as boas-vindas a Jeff Tweedy e cia, com direito a um grande elogio:

“Uma das melhores e mais importantes bandas do século e minha banda favorita.”

Depois dessa, eles não precisavam de mais nada, né?

Língua Presa · Não Ao Futebol Moderno

Não Ao Futebol Moderno #17: A Tal da “Superliga da Europa”

Não vou entrar em detalhes sobre o “clubinho da soberba” que resolveu criar uma liga própria lá na Europa, pois existem matérias suficientes que explicam essa patacoada. Mas acho, no mínimo, engraçado que o seleto grupo dos chamados “doze grandes” daquele continente tenham o Manchester City, Arsenal, Tottenham e o Atlético de Madrid, quatro times que jamais venceram a Champions League, sendo que um deles só “cresceu” graças à injeção de grana estrangeira.

Uma rápida pesquisa na internet e podemos encontrar:

Borussia Dortmund – Campeão em 1997;
Ajax – Campeão em 1971, 1972, 1973 e 1995;
Porto – Campeão em 1987 e 2004;
Benfica – Campeão em 1961 e 1962
Olympique de Marselha – Campeão em 1993;

E por aí vai. A lista é enorme, até o Estrela Vermelha, um tradicional clube sérvio, já levou esse troféu. Tudo bem que alguns clubes perderam a relevância e a força com o passar dos anos, mas tradição não se apaga. Esses magnatas intrusos do futebol atual precisam entender que esse esporte não nasceu na última década.

Espero que esse torneio fajuto jamais venha a se tornar real.

+Filmes · Língua Presa

VOGLIO UNA DONNA!

Amarcord foi o primeiro filme do Fellini que assisti, e por sugestão de uma amiga, encarei-o sem ler a sinopse. O resultado foi de uma surpresa sem igual, afinal, não esperava um filme tão engraçado e cheio de momentos marcantes.

O principal deles, claro, foi quando o tio louco do garoto Titta sobe numa árvore e não desce de jeito nenhum. Mais do que isso, ele começa um verdadeiro escândalo lá no topo, gritando a plenos pulmões que precisa de uma companheira: “Voglio una donnaaaaa!”

Tente não rir com a cena.

Crônicas · Língua Presa · Música

Essa tarde me senti em Encontros e Desencontros

Tem quase uma década que moro no oeste baiano e até hoje não digo que gosto daqui por completo. Longe disso. Sinto que não pertenço a esse lugar.

A essa hora, todos devem saber que o my bloody valentine assinou com a Domino Recordings e que há dois dias os discos da banda estão de volta ao streaming. Desde então, perdi as contas de quantas vezes ouvi o Loveless de cabo a rabo.

Precisei fazer uns corres para a empresa no final da tarde. Atravessei a cidade até o distrito industrial, e para isso, é preciso pegar a BR. Na direção do pôr do sol. A trilha sonora de todo o caminho foi o Loveless.

No instante que começou a tocar “Sometimes”, lembrei da cena de Encontros e Desencontros onde Charlotte e Bob voltam para o hotel de táxi, em uma madrugada movimentada de Tóquio.

Me senti como se estivesse no filme. A diferença é que Bob observava as luzes dos outdoors, postes, carros e tudo mais. Eu, ao contrário, tinha em frente somente a luz natural. Aquele céu gigantesco, que mesmo tão distante, parece conversar com quem o observa.

Eu não gosto daqui, mas admito: poucos lugares tem o pôr do sol tão belo quanto Luís Eduardo Magalhães.

Garimpo · Língua Presa · Música

Garota de Ipanema às Avessas

Difícil lembrar desse vídeo e deixá-lo passar batido: Rogério Skylab apresentando sua clássica “Você É Feia” no Programa do Jô, há sabe-se lá quantos anos atrás.

Melhor ainda é o comentário mais curtido do vídeo, que resume bem a letra declamada por Skylab: “garota de Ipanema às avessas”. Aqui vai um trecho:

“Quer um conselho?
Entra no banheiro,
Fecha bem a porta,
Tampa o basculante
E liga o gás!
É feia pra caralho!”

O trabalho do Rogério Skylab caminha no limite entre o cômico, o tosco e o genial. “Você É Feia” está na terceira categoria.

Garimpo · Língua Presa · Música

Quatro Músicas do R.E.M.

Hoje meu dia inteiro foi regado à R.E.M. Ouvi em sequência quatros discos da banda, e minha admiração por eles só aumentou. Foram eles: Out of Time (1991), Document (1987), Monster (1994) e Automatic For The People (1992).

Já conhecia os álbuns em questão, mas a cada audição, uma música ganha atenção a mais, outra é sentida de outra forma, mais uma vira favorita, e assim vai.

Escolhi uma de cada um deles, claro, fugindo das óbvias mais conhecidas. Mas é bom registrar que mesmo as canções clichês do R.E.M. são espetaculares.

Língua Presa · Quarta Parede

Abertura de Gummo

Algumas experiências cinematográficas não demandam explicação, elas apenas são sentidas. Foi o caso de Gummo, quando vi esse trecho pela primeira vez.

Gummo é um drama experimental de 1997, dirigido por Harmony Korine, o mesmo cara que escreveu o roteiro do Kids (1995). A história se passa em Xenia, estado de Ohio, uma cidade tão cinzenta quanto a mente de seus habitantes. Suicídio, dependência química e abusos mentais/sexuais são alguns dos temas abordados de forma crua e realista, o que pode ser perturbador e chocante para alguns espectadores. Ao meu ver, isso só engrandece o brilhantismo de Harmony Korine na condução do filme.

Logo de cara, na abertura, somos apresentados ao garoto-coelho, um dos personagens mais marcantes. A musiquinha alegre contrasta diretamente com o olhar vazio do garoto, que joga um pouco de tempo fora em uma passarela durante um dia chuvoso. Ele chuta lixo, cospe e faz xixi nos carros lá embaixo, quebra a quarta parede olhando direto para a câmera, enquanto congela de frio.

A carga emocional do filme é pesada, com cenas que nos fazem questionar o que é certo e o que é errado. Mas nesse pequeno pedaço, por um instante, a doce melancolia do garoto-coelho é capaz de tocar quem assiste de uma maneira um pouco mais leve.

Língua Presa · Não Ao Futebol Moderno

Não Ao Futebol Moderno #16: A Camisa Pesa

Por mais que o dinheiro mande e desmande com proporções ainda maiores a cada ano que passa, a camisa ainda tem muito peso em um jogo de futebol.

O Manchester City está voando nessa temporada e até a partida de ontem, a equipe do Guardiola vinha de vinte e oito jogos de invencibilidade, passando o trator em todo mundo e com direito até a um 1×4 no Liverpool em pleno Anfield. Mas foi só pegar seu maior rival, o Manchester United, que a casa caiu.

Em pleno Etihad Stadium, o United travou os Citizens e venceu por 0x2, sendo que poderia ter feito mais.

Essa é a magia do futebol. Tradição, de vez em quando, ganha jogo.